Como matar um professor

15/05/2007
Como “matar” um professor – Gilberto Dimenstein#
Há uma série de pesquisas que mostram o enorme estresse a que é submetido um professor, especialmente de escola pública, traduzindo-se em várias doenças, como ansiedade ou depressão. Ao perder o encanto de ensinar, ele estará, enquanto profissional, morto, esperando a aposentadoria.
Todos falam em inúmeros fatores por trás dessa “morte”: classes superlotadas, falta de estrutura das escolas, pais desinteressados, alunos violentos, poucos estímulos para premiar o mérito etc. Há, porém, um fator pouquíssimo comentado, que, na minha opinião, é dos piores porque se associa ao mau desempenho nas notas e favorece comportamentos violentos.
Tenho recebido uma série de estudos que revelam a altíssima incidência, nas escolas públicas, de doenças e distúrbios psicológicos em estudantes. Falamos aqui em, no mínimo, 30% dos alunos, entre os quais alguns simplesmente não enxergam ou ouvem direito. Só a dislexia pode estar atingindo 15% deles. Temos na sala de aula um desfile de enfermos sem cuidados apropriados.
Isso significa que os governos deveriam ajudar as escolas a enfrentar problemas que não podem ser resolvidos pelo professor, da saúde à assistência social; filhos de famílias desestruturadas tendem a ter problemas em sala de aula. Exige-se, assim, um olhar mais sofisticado diante da educação.
Como esse olhar não existe e cada repartição do governo trabalha isoladamente, o professor acaba vítima de tensões que vão muito além da sala de aula. Esse é um dos fatores que explicam o enorme absenteísmo e a rápida rotatividade em escolas públicas tanto de estudantes como de professores.
Nessa “morte” do professor, a maior vítima, é claro, é o lado mais frágil, o aluno, acusado de ser culpado por não aprender. E aí quem “morre” é o aluno, que passa a não ter interesse pelo conhecimento.

#Gilberto Dimenstein, 48, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha. Escreve para a Folha Online às terças-feiras.
site www.dimenstein há mais dados sobre educação e saúde.

15 comentários sobre “Como matar um professor

  1. c.e.p.Olga Mansur
    Aluna: Geyse Hellen M.Santos 2°ano D
    Professor, pior que e verdade, e isso que muitas vezes acontecem
    com,o professor ontem mesmo um aluno desrespeito uma professora aonde iremos chegar com , tanto desrespeito, e violencia . mais o texto e interressante

  2. aluno:jhonatan silva
    C.E.P. Olga Mansur
    Não e o professor e nem o aluno que está morrendo é a educação escolar e a propria escola que um local de educação que você deve aprender.
    Mas o que você aprender na verdade e fazer inimigos fazer amigos que só que ver você se ferra, brigas que leva você ao mal caminho e a pior e que você aprende a fumar drogas ou cigarros eu vou admiti que o meu colégio não bom ja vi muitas vezes gorotos e ate garotas fumando no banheiro.
    Eu digo que eu acho pra min a educação está morrendo de pouco em pouco.

  3. C.E.P.OLGA MANSUR, ALUNO:DEIVIDY WILKER DIAS DA SILVA, SEGUNDO ANO D NOTURNO, NUMERO: 6, realmenteo texto fala uma verdade que esta acontecendo alunos nao respeitam os professores, falta ajuda do governo que esta uma bosta cada um fazendo a sua parte o brasil segue em frente.

  4. Não e o professor e nem o aluno que está morrendo é a educação escolar e a propria escola que um local de educação que você deve aprender

  5. A sociedade anda muito decadente,os governantes nao fazem nada pra melhorar. Isso e muitos acontecimentos acabam matando toda a sociedade,incluindo os nossos guerreiros professores.Muito bom o texto.

  6. No meu conceito eu acredito que e essa mesmo teoria que ele usou eu concordo que muitos alunos tem que se coloca no seu devido lugar como ALUNO que quando o PROFESSOR estiver na sala e ele coordena a sala que tem que da o respeito , pois a prioridade e ele . Creio que muitos que fazem isso se supera ao seu limite vejo no cotidiano que muitos alunos fazem isso mesmo acredito em um mundo melhor que havera respeito e igualdade e muito mas MATURIDADE.

    2 ano D

  7. C.E.P.Olga Mansur, Alunas:Andressa Silva De Morais, Danubia Araujo De Jesus e Rayane Gabrieli Pereira Santana.1ªano f noturno. si um aluno matar um professor quem morre e o aluno por que não o professor o aluno quer prejudicar o professor mas quem sai prejudicado somos nós sem professor não a escola e sem escola não a aluno e sem aluno não a aprendizado.

  8. O que pude notar no texto e a mais pura realidade;alunos que vao a escola so por ir,sem interrese algum,e que acabam tirando o foco do outros alunos e ate mesmo do professor.Faltam atençao por parte das “merdas” dos governantes que ficam so no ar condicionado,enquanto isso a sociedade sofrendo com a dura realidade por falta de conpetencia e falta de humanidade desses”malditos”governantes que naoliga a minima pra sociedade.

  9. A sociedade anda muito abandonada,os cachorros dos governantes ficam la no plenario so no ar condicionado,e nada fazem,e nossos pobres professores morrendo aos poucos .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s